sábado, 30 de junho de 2012

AUTISMO: Sintomas em Adultos


  Pessoal, achei muito interessante este artigo que encontrei. As informações sobre autismo não podem ser restristas apenas às crianças, mas temos que pensar nos adultos também.

Adult Autism

  Escritórios mídia de notícias, dos pediatras, e livros para pais estão todos cheios de informações sobre o autismo em crianças, entretanto, pode ser um desafio para identificar autismo adulto. Nas últimas décadas o autismo recebeu muito menos atenção das comunidades médicas e educação do que hoje. Isto significa que há milhares prováveis ​​de adultos que vivem com autismo não diagnosticado. Aprender sobre os sintomas do autismo adulto pode ajudar estas pessoas a encontrar opções de tratamento.

Dez sintomas do autismo em adultos
  De acordo com o Center for Disease Control and Prevention, diagnosticar o autismo em adultos pode apresentar um desafio significativo. Os adultos não podem ter um histórico médico completo e de desenvolvimento para os seus primeiros anos de vida, e eles podem ter estabelecido como lidar com comportamentos que podem mascarar a doença.

Se você está querendo saber se você ou outro adulto que você conhece pode estar no espectro do autismo, pode ajudar dando uma olhada em alguns dos sintomas comuns desta doença em adultos. Tenha em mente que ter um ou dois desses sintomas não indica autismo. Se um adulto tem vários sintomas, pode haver motivo para preocupação.

  De acordo com a WebMD, os seguintes sintomas podem indicar que uma pessoa tem um transtorno do espectro do autismo. 
  • Poucas amizades ou relacionamentos:

  Formação de relacionamentos próximos podem ser um desafio para os adultos no espectro do autismo. Comportamentos idiossincráticos e limitações de linguagem podem afetar gravemente a capacidade desses indivíduos para formar amizades. Além disso, limitada perspectiva de tomada de habilidades e de dificuldade de ouvir os outros pode representar um desafio nos relacionamentos.
Da mesma forma, os relacionamentos românticos pode ser extremamente difícil para os indivíduos com autismo. Além dos desafios que vêm com as amizades regulares, existem muitos sinais não-verbais associados com interações românticas. 
  • Desafios da comunicação Não-Verbal: 

  Para muitos adultos com autismo, a comunicação não-verbal pode apresentar um desafio significativo. Esses indivíduos podem ter dificuldade em interpretar expressões faciais e gestos. Eles podem achar que é difícil estabelecer e manter contato com os olhos enquanto fala com os outros.
Os adultos com autismo podem sentir que eles estão sempre "em falta" alguma coisa ao interagir com outras pessoas. Se você achar que você costuma interpretar mal as outras pessoas, pode significar que você tem essa característica do autismo.
  • Transtorno de Processamento Sensorial:

  Muitas pessoas com autismo experiência extrema sobre ou sub-sensibilidade a estímulos, conhecida como transtorno do processamento sensorial ou disfunção de integração sensorial. De acordo com Psychology Today, este distúrbio do processamento sensorial pode apresentar um grande desafio social para adultos autistas. Conhecer novas pessoas traz informação sensorial nova, incluindo cheiros, sons, visões, e outros tipos de entrada. Isso pode levar os adultos autistas para evitar novas interações sociais.
Se você achar que você não pode suportar certas sensações ou constantemente almejar um tipo particular de estímulos sensoriais, você pode ter esse transtorno. Se os desafios sensoriais interferir com sua capacidade de interagir socialmente e também corresponder com outros sintomas de autismo adulto, você pode estar no espectro.
  • Falta de empatia e perspectiva compartilhada:

  Compreender de onde outras pessoas estão vindo pode ser um desafio para todos os adultos, mas para aqueles com autismo, que pode ser extremamente difícil. Muitos indivíduos com autismo luta para compreender as perspectivas dos outros, e isso pode levar a uma falta de empatia. Isso também torna difícil para os adultos autistas para compartilhar o interesse de outra pessoa em um tópico.
Os adultos com autismo pode notar que é difícil simpatizar com outras pessoas e que eles não entendem que os outros querem, sentir ou pensar. Além disso, este desafio perspectiva também pode apresentar um problema quando se trata de humor, e adultos autistas podem não perceber piadas. A falta de empatia e de perspectiva de partilha pode levar a muitos problemas sociais.
  • Problemas de Comunicação Verbal:

   De acordo com a WebMD, até 40% das pessoas diagnosticadas com autismo nunca pode aprender a falar. Adultos que são completamente não-verbal pode estar no espectro do autismo, mas a comunicação verbal pode ainda representam um desafio para aqueles que podem falar em um nível apropriado para a idade.
Adultos autistas podem achar que é um desafio para fazer conhecer as suas necessidades para os outros ou para iniciar e manter uma conversa. Eles podem achar que as palavras querem dizer simplesmente desaparecem quando eles começam a falar. Processamento de pensamentos em linguagem falada pode ser muito desafiador.
  • A preocupação com determinados artigos ou Tópicos:

   Uma característica do autismo é adulto interesses limitados. Muitos adultos autistas são extremamente bem informados sobre certos temas, como aviação, engenharia, origens das palavras, a história, e muitas outras áreas. Esta hiper-foco em uma determinada área de interesse pode ser extremamente agradável para o indivíduo, mas pode apresentar grandes desafios também.
Se você está muito interessado em um determinado tópico e discutir este assunto longamente com outras pessoas, isso pode ser uma indicação de autismo. O intenso interesse, juntamente com a perspectiva de tomada desafios, pode resultar em dificuldades sociais se outras pessoas não estão interessadas no tema.
  • Comportamentos repetitivos e estereotipados:

Para alguns indivíduos autistas, repetindo as mesmas palavras, frases ou comportamentos podem proporcionar grande conforto. O resultado destas rotinas em previsível e está sob o controlo do indivíduo. No entanto, estes comportamentos repetitivos não servem a uma função prática, social, ou comunicação.
  • Necessidade de rotina:

Para os indivíduos autistas de qualquer idade, há um monte de desconhecidos no mundo. Muitas habilidades sociais e de comunicação outros tomam para concedido são misteriosos para aqueles no espectro. Uma forma de proporcionar conforto e previsibilidade é confiar em rotinas.
Nos adultos autistas, essa necessidade de rotina pode assumir muitas formas:

    
Não gostam de viagens
    
Recusa de experimentar novos alimentos ou restaurantes
    
Seguindo o mesmo calendário todos os dias
    
Sentindo-se um grande desconforto quando você precisa desviar sua rotina
    
Dificuldade de alterar planos
    
Seguindo a mesma rota para ir de um lugar para outro
Habilidades Savant
De acordo com a WebMD, até 10 por cento dos indivíduos autistas apresentam algum tipo de habilidade savant. Isso significa que eles se destacam em uma determinada área, como matemática, história da música, ou. Adultos autistas podem ter memórias excepcionais, permitindo-lhes lembrar capítulos inteiros e livros de informações.
  • Problemas do sono e ansiedade:

WebMD também relata que cerca de 70% das pessoas autistas têm problemas com o sono. Isto pode ser devido a problemas sensoriais. Embora a insônia em si não é uma característica do autismo, isso é algo a ter em mente se você tem outros sintomas do autismo.
De acordo com o The National Autistic Society, a ansiedade é um problema comum em adultos com autismo. Essa ansiedade pode se manifestar em uma variedade de maneiras, incluindo problemas de concentração, dificuldade em controlar o seu temperamento, a preocupação com um tema e depressão.
  • Obter Ajuda:

Tomados isoladamente, esses sintomas do autismo adultos não indicam um problema. Tal como acontece com muitas desordens, sintomas individuais são comuns na população em geral. No entanto, se você perceber que você ou alguém que você conhece exibe várias destas características, você deve consultar um profissional. Fale com seu médico regular sobre um encaminhamento para um especialista em autismo, ou consultar um psicólogo ou psiquiatra. Com o tratamento e atividades para adultos autistas, você será capaz de melhorar sua qualidade de vida significativamente.

Fonte:  http://autism.lovetoknow.com/Adult_Autism_Symptoms

78 comentários:

  1. Obrigada por esse texto,agora compreendi melhor sobre o autismo,um assunto tão pouco falado.Na verdade eu nem sabia direito o q' era,agora pude entender melhor.

    ResponderExcluir
  2. Me identifico demais com cerca de 5 características. Sou muito estudioso e muito bom no que eu faço, tenho desempenho extremamente acima da média na área em que atuo, todavia só gosto de falar disso, só sei falar sobre temas relacionados, se sai disso, não consigo ter uma conversa com as pessoas, não sei o que falar com elas, além de diversas outras características que me identifico bastante. Qual a área da psicologia que devo buscar?

    ResponderExcluir
  3. FIQUEI FASCINADA, PORQUE AGORA TENHO A CONFIRMAÇÃO DE FATO QUE MEU MARIDO TEM AUTISMO.
    SOMOS CASADOS HA 10 ANOS E EU ERA DESCONFIADA, ELE É MUITO INTELIGENTE EMBORA TENHA UMA DIFICULDADE GIGANTESCA DE SOCIALIZAÇÃO EM TODOS OS SENTIDOS DESCRITOS NO TEXTO ACIMA.
    DETALHE ELE É CONTADOR, TRABALHA, E SÓ É O QUE É HOJE POR MINHA TOTAL DEDICAÇÃO DESDE QUE NÓS NOS CONHECEMOS, NEM A FAMILIA E/OU AMIGOS, DESCONFIAM, SÓ DIZIAM QUE ELE É ESTRANHO, ESQUISITO, EGOISTA, DESCONCENTRADO, ETC.
    MAS EU SEMPRE DESCONFIEI QUE ELE TINHA AUTISMO, AGORA APESAR DELE TER FEITO TRATAMENTO COM PSICOLOGO ISSO NAO FOI DITO A ELE OU A MIM, AGORA VOU PROCURAR UM PROFISSIONAL PERITO EM AUTISMO EM ADULTO.
    OBRIGADA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi vc ai que descobriu que seu marido é autista vc pode passar um email preciso de mais informação sobre o assunto obrigada!

      Excluir
    2. Tenho o mesmo caso com meu marido...e agora meu filho de 7 anos foi laudado com Asperger.

      Excluir
    3. OBRIGADO , DESCOBRIR QUE REALMENTE O PROBLEMA QUE MEU MARIDO TEM E AUTISMO ,A FAMILIA MUNCA DIZ NADA ,MAIS NO CONVIVO ,MUITOS DETAHES MIN CHAMA ATENCAO, ENTAO SOBRE ESTAS ENFORMACOES ELE SE ENCAIXA QUASE TODAS ELAS ,E OUTRAS COUSA QUE FAZ ,ELE TRABALHA UM DOIS TRABALHOS ,DIRIJE ,E AS VEZES SISMA QUE PESSOAS ESTAO ERRADAS ,SENDO QUE NAO ESTAO ,PARA O CARRO ,DIZ QUE ESTAO SEGUINDO ELE ,CONVERSA SOZINHO,, TEMOS 7 ANOS DE CASADOS , ELE JA DESENVOLVEL MUITO , VOU PROCURAR AJUDA LO ,SEI JESUS CURA ,ELE E UM AMOR DE PESSOA ,ELE E MINHA BENCA ,MEU AMOR ,

      Excluir
    4. Olá, eu também tenho passado muitas dificuldades com o meu marido, ele é autista e estamos juntos há 2 anos. Sei das limitações, mas às vezes acho que ele usa o autismo como desculpa para algumas coisas. Estamos passando por uma crise, quero ajuda, pois o amo e não pretendo deixa-lo, a família dele não sabe, mas acha estranho o jeito dele frio de agir e eu preciso saber como devo proceder. Pq estou me sentindo sufocada, triste e amargurada, preciso de ajuda para poder ajuda-lo também. Sou de Manaus, teria algum lugar que possam me indicar? Obrigada!

      Excluir
    5. Estou interessada no assunto, ter um relacionamento com um adulto que tem autismo não é fácil, temos que ter conhecimento.

      Excluir
    6. Nossa, sou casada tem 3 anos e o depoimento acima é a exata descrição de meu marido. Ele adora finanças e contabilidade é muito bom nisso e se encaixa em 80% dos sintomas descritos...desde rotina, não gostar de viagens, fala bem pouco exceto que seja sobre finanças e contabilidade, foi sempre taxado de estranho, é extremamente antissocial e não gosta que toquem nele. confrontá-lo para buscar ajuda seria indicado?

      Excluir
    7. Eu acho que seu marido tem um leve resquício de esquizofrenia. Só que pelo que você disse, é controlada. Mas, isso de achar que as pessoas estão o seguindo, é uma característica forte da esquizofrenia.

      Excluir
    8. Eu terminei um relacionamento por conta disso. Sempre achei ele meio estranho. Inteligente, mas inconstante e incoerente. Sempre fixado em poucos assuntos, querendo ficar isolado, sem amigos. Tinha atitudes inconsequentes. Cheguei a falar com ele pra procurar ajuda e me disse que nunca ia falar sobre a vida dele a um desconhecido. Desconfiei mais ainda quando me contou que quando era criança os pais e os irmãos iam para a casa dos tios aos domingos e ele não ia porque preferia ficar sozinho. Acho que nem ele sabe que é. O problema de uma pessoa assim é que termina atrapalhando a vida e os sonhos da gente. Tem que procurar ajuda, porque não é possível que não ache seu comportamento estranho diante das outras pessoas. Será que não percebe que é diferente? Eu, sinceramente, não aguentei, porque a carga é pesada demais.Ele se encaixa na maioria das características. Por exemplo, quando encontrava alguém conhecido no shopping só ele falava e eu percebia que a pessoa dava um jeito de se sair porque na realidade o assunto só interessava a ele mesmo. Às vezes eu mesma estava comentando um assunto, ele cortava falando de edifícios etc. parecendo que estava fora da órbita... Agradeço a Deus por tê-lo tirado do meu caminho porque as coisas só ficam mais fáceis com a ajuda de um profissional. Se a pessoa se recusa é humanamente impossível. Só quer viver isolado.

      Excluir
  4. Pelo menos em cinco aspectos me identifiquei, sou considerado pelos outros como estranho ou sério demais. Tenho dificuldades em conversar sobre outros assuntos que não estejam em minha "pauta" no momento, levantando uma barreira para manter o diálogo. Também tenho dificuldades em conversar olhando nos olhos, mas quando percebi a dificuldade passei a me vigiar. Para mim, conversar com estranhos é sempre um esforço e até mesmo com alguns conhecidos...
    Moro aqui em Natal/RN, gostaria de saber mais e se alguém poderia indicar um profissional da área?

    Obrigado! É muito bom ter um espaço como este

    ResponderExcluir
  5. Me encontrei e me entendo agora. Sempre me achei estranha, diferente, mas achava q era mais uma questão pós-traumas de infância e uma auto proteção elevada. Acabei entrando numa fase de depressão muito forte, que acabou potencializando esses aspectos do Asperger. Vou conversar com minha psiquiatra e talvez procurar uma mais especialista.

    Muito, muito obrigada!!!

    ResponderExcluir
  6. Alguém sabe dizer se há algum lugar onde possa fazer tratamento gratuito de autismo?

    ResponderExcluir
  7. oi Juliana sou igual vc, sera que voce poderia me adicionar no skype? queria conversar ctg, rozana.amorim... desde de ja obrigada

    ResponderExcluir

  8. Eu sou muito estranha, desde criança,não consigo me relacionar, com outras pessoas, fico calada o dia inteiro só falo se alguém me perguntar alguma coisa. sofro muito.não tenho amigos, mas quando chego em casa tudo muda me sinto tão bem com a minha família.Parece um caso de dupla personalidade. Que profissional devo procurar,me ajude.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu preciso um contato com essa pessoa estou na mesma situaçao
      essa pessoa que publicou a opiniao em 14 de maio 2013 00:25
      estou em belo horizonte

      Excluir
  9. Eu era a estranha. Agora tenho nome e sobrenome.
    Tenho chance de me tratar. Não sei como agradecer.
    Foram 50 anos deslocada. Hoje entendi.

    ResponderExcluir
  10. Oi, me identifico muito com os tópicos citados acima. Não gosto de conversar com as pessoas, estou sempre fingindo que gosto delas, mas a verdade é que eu não gosto de ninguém, odeio as pessoas. Não olho nos olhos de ninguém e fico sozinho todos os finais de semana. Se chegar alguém em minha casa, fico desesperado e louco para a pessoa ir embora, inclusive minha família. Se alguém quiser me contactar: juliocesarsouza82@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ola Julio, ainda estou em duvida quanto a essa historia de autismo, no meu caso... mas eu tambem sinto a mesma coisa, odeio quando nao me avisam, tento disfarçar, finjo que nao ligo, embora eu queira amar as pessoas, mas a certa distancdia, quando vejo que estao se aproximando muito, ficando muito íntimas, pulo fora, sumo. Sinto nao continuar a amizade, mas prefiro assim, sozinha, gosto de ficar sozinha... Tenho o meu mundo, imagino, as ideias vem, embora eu nao tenha muito espaço para coloca-las em pratica, mas algumas que pra mim seriam tao faceis, vejo que seria muito incoveniente para os outros... e algumas coisas tao faceis para os outros é tao complicado para mim... Quando converso, tento disfarçar um diálogo, mas sem pé nem cabeça, sem começo sem fim, se nao for sobre algum assunto que me interesse, nao dura 5 minutos. Tenho 36 anos, mas alma de 15...É como se eu não conseguisse acompanhar minha idade fisica, vejo pessoas da minha idade muito maduras, no modo de conversar, e eu... bem... finjo que tambem sou assim...Nao sei, mas devem comentar que sou meio esquisita, sempre diziam que eu era meia boba...infantil... nao sei se é transtorno ou nao, mas me sinto diferente...

      Excluir
    2. olá, também sinto a mesma coisa, acho as pessoas muito chatas. A maioria pelo menos. é difícil encontrar uma pessoa interessante, também me acho desconectada do mundo, dos grupos que se formam normalmente. Se juntar 3 pessoas já me perco nas conversas, não acompanham o que todos falam, que coisa doida. Vocês estão se tratando, preciso de um profissional especializado, se puderem me indicar, sou do RJ. Obrigada.

      Excluir
    3. Sou assim tbmÄs vezes, sinto como se n fosse desse mundo.Me sinto deslocada, evito pessoas ao máximo.Que tratamento estao fazendo¿

      Excluir
  11. Olá. Realmente, é muito difícil os profissionais mencionarem o autismo ou o espectro autista em adultos que não foram diagnosticados na infância. Isso deixa muitas pessoas sem um diagnóstico e um tratamento devido ao seu sofrimento. Vou ao psiquiatra, diagnosticada com depressão e fobia social, há 12 anos, e venho sendo tratada, desde o início, com antidepressivos, que muito pouco me ajudam a ter uma vida minimamente possível. Me enquadro em todas as características acima e, na verdade, foram os amigos e as pessoas com quem convivi até hoje que acabaram me ajudando a perceber isso, sempre que me apontavam várias atitudes e características como "estranhas". Aprendi a me olhar de fora e a observar como todas se comportam de uma maneira inteligível para elas, mas nunca consegui fazer sentido para ninguém, nem compreendê-las no dia-a-dia. Tenho enorme dificuldade para me expressar, em todos os sentidos, e até mesmo, para me manifestar de qualquer forma. Mas, preciso trabalhar, preciso estudar, preciso interagir. Assim, vou me arrastando pela vida, sempre com uma "bolha" ao meu redor. Não tenho problemas intelectuais nem verbais - sei ler, escrever e interpretar criticamente as coisas. Mas não consigo interagir. Fica tudo dentro de mim. Sou uma pedra. Me peguei, tempo desses, no meio de um show, com colegas de um trabalho anterior, completamente parada na pista, olhando os músicos, enquanto as pessoas normais dançavam sem parar. Percebi de repente que todos começaram a olhar para mim, perplexos. É o tipo de coisa que me acontece com frequência. Dá pra entender? Então, alguém me ajuda - me expliquem, por favor: quem sou eu? Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OLÁ.. acredito que o mundo tenta padronizar tudo, é só no que acredito.. se vc é um pouquinho diferente ou desigual vc deve tomar remédios para chegar ao padrão!! Depois de muito tempo procurando psicólogos me cansei e percebi que NÃO SOU OBRIGADA a me encaixar em nenhum padrão!! Como os meninos acima.. detesto pessoas.. gosto de viver só comigo, já decidi que não vou me casar, mas tenho o desejo de ser mãe, para isso eu tenho outras saídas, mas olha tentar achar um lugar para se enquadrar leva muito tempo e vc perde tentando então, para mim não vale a pena, amanhã ou depois posso "partir" desse mundo e o resultado foi que eu não vivi o que eu gostava de ser, procurando me enquadrar em algum lugar!! Acho muita graça você dizer que só vocÊ estava parada lá sem dançar..kkkkk!! adoro subversões da ordem! Se anima, as pessoas que não seguem a multidão por respeito a seus próprios interesses SÃO AS MAIS CORAJOSAS!!

      Excluir
  12. este site é maravilhoso encontrei tudo que eu sempre procurei .
    sou homem com 38 anos de idade e muito sofrimento com alguns problemas citados
    acima, o pior deles mas pior mesmo é não conseguir permanecer olhando nos olhos da pessoa quando estamos conversando. esse problema sempre foi um fracasso na minha vida , com meus poucos amigos que tenho, ou no emprego .e o pior de tudo é sem duvida mas sem duvida mesmo é chegar nas meninas para conversar. ninguem vai conseguir conquistar um mulher, conversando ,e olhando para os lados horrivel horrivel horrivel a não ser que a mulher tenha o mesmo problema aí seria ótimo .
    eu moro em belo horizonte, moro sozinho, tenho 13 irmãos, gosto de viver sozinho ,me sinto muito mais inteligente do que todos meus irmaos .e sempre pensei que tenho um pouco de autismo .
    se alguem poder me indicar um profissional, aqui em bh, vou correndo consultar antes que eu suicido.
    á, será que esse problema é só em homem ?
    boa noite.

    ResponderExcluir
  13. alguem conhece alguma mulher que tem esse problema ?
    principalmente esse problema de não olhar nos olhos do outro quando conversa.
    ou esse problema é só em homem .
    att.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Márcio!
      O Autismo é mais frequente em homens. Mas é possível encontrar mulheres autistas também.

      Excluir
    2. Marcio vc conseguiu tratamento?? descobri q meu marido e autista e ele nao vai aceitar isso.
      preciso saber como devo agir p nao magoa-lo.

      Excluir
    3. Oi Marcio!
      Não sou autista mas sei exatamente o que vc sente pois tenho filho autista que passou por tudo isso que vc está descrevendo e muito mais... Meu filho tem muita dificuldade de relacionamento, mas hj está com casamento marcado para janeiro próximo. Morávamos no RJ e lá as coisas não melhoravam p ele. Hj moramos no interior de Goiás e tudo melhorou. Os problemas existem é claro, mas p cada dificuldade procuramos uma solução possível. Acho importante procurar um psiquiatra que seja bom (tivemos que consultar alguns até encontrar um bom). Em relação as meninas, o legal é contar com a ajuda de alguém (uma madrinha ou padrinho, para apresentar alguém p vc). Quanto a olhar nos olhos das pessoas, um truque é olhar entre os olhos, um pouco acima, na testa das pessoas. (isso dá a impressão pra outra pessoa que vc está olhando nos olhos dela e evita o desconforto p vc). Óculos sem grau ou escuros, nas situações que forem possíveis, também ajudam. Não sei se vc tem religião, mas participar de grupos religiosos também ajuda! No nosso caso, somos evangélicos e as pessoas da minha igreja ajudam muito.
      att.

      Excluir
    4. sou mulher, autista leve diagnosticada por psiquiatra e psicóloga e não gosto de olhar nos olhos

      Excluir
    5. OI MÁRCIO SOU PSICÓLOGA E MORO EM BELO HORIZONTE, CONHEÇO UMA PSIQUIATRA E PSICANALISTA, A QUEM INDICO MEUS PACIENTES, TALVEZ O AJUDE, O NOME DELA É ISABELA SANTORO CAMPANÁRIO.

      Excluir
    6. Eu, Marcio. Eu nao nasci assim, pois nunca senti essa mudança de comportamento, na linguagem, na interaçao social, eu sempre fui timida, no começo pensei que fosse timidez, mas era muito forte, ai começei a procurar assuntos na net e achei tudo o que queria, vou fazer uma pasta com tudo inclusive dieta, comigo foi um acumulo emocinal muito intenso que ocasinou isso, me apaixonei por uma pessoa e por varios motivos guardei isso so pra mim, pois pensei que ele fosse um tipo de pessoa e descobrir que era totalmente diferente do que parecia e do que as pessoas comentavam, ai foi minha mente nao aguentou, isso aconteceu mais ou menos quanto eu tinha 38 anos, hoje tenho 49, ja procurei um medico do assunto mas ele me respondeu que Autismo so da em crianças, ai busco tudo na net, eu vou salvando para formar uma pasta, eu sinto tudo do Autismo, so que e de leve, pois nao nasci com Autismo, poxa, se tivasse nascido eu era genio em alguma coisa, ja pensou rsrsrrsss talvez hoje ja era famosa. beijos

      Excluir
    7. EU Sheila. resumindo a minha estória eu tive que voltar ao passado do meu inicio da minha infancia eu era uma criança melancolica ,medrosa olhar as vezes vago tive depois até meus 14 anos (cinési -andava de um lado para outro pois tinha um prazer enorme como se eu pudesse ir pra uma outra vida e direção) a minha fase pior foi dos 3 ao 5 anos de idade sentia certos medos insegurança parecia que eu tinha uma laranja na minha garganta como se eu não pertencesse esse mundinho de gente grande ai fui crescendo um detalhe: eu não andei muito cedo demais e falei berando quase 3 anos .a fala não foi meu maior problema eu tinha timidez falava pra dentro mas falava.agora pior das coisas que aconteceu foi a 1 fase escolar NOSSA!!!!como eu sofri!!! me sentia rejeitada por todos vinham ideias dentro da minha cabeça como se todos fossem meus inimigos e via a professoara como a madrasta da branca de neve !!! rs eu queria ver tudo menos aquela escola!! assim foi se pasando a minha vda foi me consertando ms sempre ouvi piadinhas dos meus familiares pelas costas " essa tem parafuso frouxo" mais melhorei muito a partir dos meus 6 anos até agora que me encontro com 33 anos e tenho atualmente 2 filhos de pais diferentes depois de 15 anos tive o meu caçula que nem precisa ir na neuropediatra pois eu já sei que é autista os dois são!!! minha de 16 anos e o meu de 3 anos que está passando tudo de novo aqueles estresses que se eu sendo autista não diagnosticada naepoca acho que estou regredindo devido aos choques da realidade que de novo estou presensiando aquela pressão toda acho que vou procurar ajuda pois estou me sentindo as vezes regredindo como aquela menina de 5 anos com medo de tudo e fobia de gente que antes eu era bem comunicativa e agora estou fechando presenciando com meu filho de 3 anos como se tivesse morando dentro dele ao inves de mim...... desabafo!!!!

      Excluir
  14. Olá!

    Meu namorado é autista. Me revelou há alguns meses. Gostaria de saber como lidar melhor com a situação e com o autismo. Ele se recusa a ir no médico ou psicólogo para fazer tratamento. Muito obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se ele nao quer ajuda..entao caia fora... vc so vai ter dor de cabeça... Sou casada com um Asperger e sei bem o que quando ele nao quer tomar medicacao e insiste em dizer que ele é normal.(se ele ja tem o laudo provando que ele tem SINDROME...Que falar so quando ele se sente preparado, nao sei a hora que posso falar com ele, para sair de casa sempre faz estresse, so fala de temas que ele escolhe, responde quando quer...as vezes se torna agressivo quando o momento nao foi do jeitinho que planejou,sempre esta me controlando em casa, criticando, quer tudo da forma que ele quer, ate a forma de fechar a porta tem que ser do jeito dele. Ja quase nao tenho mais paciencia.. Gostaria de troca experiencias de como lhe dar com o trantorno comportamental. ME AJUDEM!!!!!!!!!!!!! Estou cada diamais triste.

      Excluir
    2. Marta, meu marido tem essas características e estou desesperada. Comecei a investigar isso há pouco tempo, por indicação da psicóloga da minha filha, que desconfia que ele é asperger. Que medicação ele toma? Quando toma, ele melhora? Qual é o tratamento indicado? Medicação e terapia? Me ajude por favor. Não aguento mais. Já são 9 anos de convivência.

      Excluir
    3. Meu pai é assim. me sufocou a vida inteira. A solução é orar muito e finalmente meus pais se separaram. Mais o trauma ficou. Eles fazem assim, tudo tem que ser do Jeito dele. Os moveis ficam no lugar que só ele quer. Falar só o que ele quer. Dormir quando ele manda, mesmo já sendo quase adultos. Vai podando a pessoa até que ela não é mais ela mesma. Minha mãe, enfrentou, trabalhou e se separou. Sua saúde melhorou. E a paz também. Pena q eu eu fiquei super deprimida.Não dá para continuar uma relação doente, se a pessoa não quer tratamento. Vai minar todas as suas forças. Tenha ajuda e vai mudando aos poucos e quando puder se manter. Vá viver! Não será fácil vc terá que lutar.beijinhos. Quer falar comigo? Envia seu e_mail.eu converso contigo.

      Excluir
  15. Tenho um filho com 31 anos, sempre levei em fono, psicólogo, neurologista e psquiatra. A psquiatra disse que fono e psicologo não vai resolver e orientou a procurar projeto terapeutico no sumaré, fui só que não tenho condições de pagar disse que poderia tirar um empretimo para uns 8 mesese de tratamento o médico disse que não é o suficiente. Estou sem saber o que fazer, pois ele é inteligente compreendi tudo. Gostaria de saber se o meu filho pode ser meu dependente no convenio médio da empresa e quais o direito que ele tem.

    grata

    ResponderExcluir
  16. Sempre me senti diferente , alheia as opiniões, independente de sentir necessidade de companhia , perseguida por demonstrauita inteligencia e indiferente aos relacionamentos... percebi a situação e sempre fui incapaz ou desinteressada em auto ajuda.

    ResponderExcluir
  17. CONVIVO COM MINHA ENTEADA HÁ QUASE 25 ANOS E SEMPRE ESTRANHEI O COMPORTAMENTO RESERVADO E ENSIMESMADO QUE SEMPRE APRESENTOU. TODOS DA FAMÍLIA JUSTIFICAM TAL COMPORAMENTO PELO FATO DE ELA TER PERDIDO A MÃE AO NASCER. MAS, MESMO ASSIM, NÃO CONCORDO COM ESSA AFIRMAÇÃO, POIS ALÉM DO ISOLAMENTO QUE DESENVOLVE NO DIA A DIA, CONVERSA HORAS ¨FIO¨ SOZINHA, TEM DIFICULDADE DE PARTILHAR QUALQUER OBJETO, NÃO SE ENVOLVER COM OS PROBLEMAS DO COTIDIANO DOMÉSTICO, A MENOS QUE SEJA SOLICITADA INSISTENTEMENTE.ATÉ EU COMPREENDER QUE SEUS ATOS TEM ALGO QUE NÃO SE TRATA DE EGOÍSMO SOMENTE, FOI MUITO MAIS DIFÍCIL DO QUE É ATUALMENTE. É UMA BATALHA DIÁRIA.

    ResponderExcluir
  18. oi, sou autista leve diagnosticada por psiquiatra e psicóloga. tenho dificuldade coom mudanças e comportamentos estereotipados, não tenho amigos, mas tenho colegas de trabalho, nunca namorei e tenho 33 anos. gostaria de saber como são moutros autistas adultos.

    ResponderExcluir
  19. Bom dia

    Namorei um rapaz durante uma ano. Apesar de ser uma pessoa inteligente ele trabalha como contador,fez faculdade e gosta de conversar com as pessoas, durante o namoro comecei a perceber que ele não era normal.Quando saíamos tinha dias que ele era super carinhoso e já em outros não ,e quando nos encontrávamos junto com amigos,as vezes não me cumprimentava...como se nem me conhecesse .E algumas vezes pegava ele fazendo gestos sozinho... Achei muito estranho e esquisito,quando ia lá em casa mal olhava pra minha mãe e não a cumprimentava.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso são sintomas de autismo?

      Excluir
  20. muito obrigada por criar este espaço de informação. estou muito interessada no assunto pois acho que meu esposo tem muitas características da sindrome de asperger. ele é uma pessoa incrível e maravilhosa, mas muito incompreendido em vários momentos. com certeza irei procurar ajuda medica.

    ResponderExcluir
  21. Estou com 44 anos e sofro desde pequena por ser muito retraída. Trabalho, estudo, mas não consigo estabelecer amizades, muito raro, os interesses são muito diferentes. Gosto mesmo é de ficar sozinha, me sinto livre e feliz quando estou em casa na minha segurança, aqui eu sei que nenhum estranho vai entrar, assim espero sempre. Na verdade eu queria me comunicar mais, mas as pessoas são muio diferentes de mim, não consigo trocar duas frases sem me decepcionar com o que escuto. Quanto à relacionamentos, sofro, sofro, sofro, me apaixono por homens mesmo quando eles não se interessam por mim. Não sei se isso tem alguma relação com o autismo, talvez a necessidade de distância, sei lá. Estou começando a achar que tenho esta síndrome. Vou procurar ajuda, mas sei que vou ouvir muitos risinhos de médicos e psicólogos, isso é triste. Se alguém puder me indicar um profissional para evitar minha peregrinação atrás de psiquiatra, vou agradecer muito, sou do Rio de Janeiro. URGENTE!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não pense que os psicólogos ou psiquiatras vão rir de vc, eles são profissionais que estão lá pra ajudar. Tenha certeza disso.

      Excluir
  22. Eu sempre fui muito sozinha. Naõ gosto de ninguem, e prefiro o meu mundo, gosto de temas como extraterrestres, e não tolero gente. Para mim são todos hipócritas . Gostaria de ir para Marte, e nunca mais ver gente.

    ResponderExcluir
  23. Isso é um absurdo ! Agora tudo é autismo ! Não ! As pessoas são diferentes por natureza, uns são mais extrovertidos e outros mais introvertidos, isso é natural, e é bom que seja assim ! Não façam autodiagnostico ! Estudem, leiam, pesquisem, não criem esteriótipos de si mesmos !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada!!!!!!! isso tudo aqui me deixou muito confusa. Eu sou sensível, muito sensível inteligente e gosto de mim assim mesmo. Olho as pessoas nos olhos e de algumas eu gosto e outras não. Isso não significa que sou autista; Autista não tem noção das coisas que faz.Por exemplo: Acha normal em um almoço ficar se masturbando;na frente de todo mundo, é muito constrangedor. Ele entra no seu mundo, ataca outra pessoa, não permite que qualquer pessoas se aproxime sem ser agressivo, é inteligente em algum campo. esse que falo aqui nem banho e nem cortar as unhas é possível sem ser forçando... A família trata ele assim, como criança e ele tem quase dois metros de altura. Coisas assim. São d e autista... E do nada ele faz uma conta matemática que eu não entendo,porém ele está correto. Essa é a habilidade dele.

      Excluir
  24. me responda por favor, meu marido eu percebi que o tempo todo e na dele tudo e sozinho quando vou conversarc; ele nao me olha vive contando piada o tempo todoou futebol nao tem outro assunto tudo dele e secondido

    ResponderExcluir
  25. Uma das dificuldades de relacionamento é que as pessoas tidas 'normais' acham essas pessoas muito puras, ingênuas e inocentes.

    ResponderExcluir
  26. Oi eu tenho a síndrome de Asperger, eu adoro música eu toco na igreja teclado e violão e aprendi a tocar baixo sozinha. Eu gosto muito de ficar sozinha. Não sou de falar muito com outras pessoas.

    ResponderExcluir
  27. Puxa eu estou surpresa. Ninguém me consegue me compreender. Sempre tive poucos amigos. Não gosto de barulhos, som alto, de quem fala alto, isso me incomoda muito, dói. Não consigo me socializar com todo o tipo de pessoas, tenho medo de pessoas, minha reação é ficar em um lugar mais tranquilo. Passei em um curso federal, achava tudo muito fácil. Mais na hora de ter muitos contatos,na sala d e aula ou alguém mudava o roteiro para lugares esternos não conseguia participar. Ficava ansiosa, triste com tudo que é novo e até hoje. Não consigo entender piadas. Me expresso com forma culta, mais não entendo ditados regionais. Noto coisas facilmente, como erros de simetria em construções como exemplo. Ou um problema na família de amigos e nos ambientes que vou. Sinto insônia constante. E muitos me falam que sou muito inteligente.Que entendo de tudo, lia muito, Eu só queria estudar muito. E a biblioteca era é o meu lugar favorito. Hoje sinto uma depressão forte, ansiedade forte. E ter a rotina dos outros é um sacrifício... Sentir cheiros, sons, algo apitar quando ninguém na minha família nota. Mais depois que resolvo eles dizem que o som chato parou. E agora? O que faço? Quer ver uma coisa, um beijo, sinto esse beijo por muito tempo, Só dei um beijo assim na vida. Hoje não consigo que ninguém se aproxime muito. Alguém que trate d e depressão e autismo, algum grau de autismo pode me ajudar? Muito obrigada. Anna.

    ResponderExcluir
  28. tenho uma filha que tem 18 anos e nao consegue ler ,sempre teve dificuldades,na escola sempre quando tento ajudar ela se fecha,desde dos quatro teve acompanhamento com neuro,e psicologo nunca tive o diagnostico do que se trata preciso de ajuda.

    ResponderExcluir
  29. pois é eu sofri 50 anos de minha vida sendo humilhado perseguido e excluido pois eu era diferente todo emprego que arrumava era despedido na primeira semana num parava em emprego nenhum e assim levei a vida toda num ostracismo social vivendo em casa com minha mae ate o dia que ela foi pro céu e eu fiqui sozinhono mundo enquanto ela estava aqui comigo a gente sobrevevia com a pensao que meu pai deixou quando faleceu mas e agora nem o asilo me quer pois num tenho um cartao pra eles tirar dinheiro e tambem se eu tivesse eu dava um jeito de morar so ate o final de meus dias .entao pergunto doutora eu tenho direito a pensao que me pai deixou pra minha mae pois tenho diagnostico de autismo feito por tres medicos psiquiatras e uupor duas psicologas mas o medico da pericia disse que minha invalidez foi apos a morte de meu pai mas ele esta enganado pois desde que meu pai era vivo eu ja era esquisito apelidado pelas outras cirianças de doido.passei minha vida toda assim nao tenho amigos nem namorada nem trabalho vivo de favor na casa de minha tia e o INSS diz que nao sou maior invalido diz que sou capaz para o trabalho mas ninguem me da emprego porque sou deficiente nao me relaciono com as pessoas e agora tenho ou nao tenho direito a pensao que minha mae recebia pra eu viver o resto de minha vida sem ter que depender de esmolas de oparentes? joao e. pimentel e-mail : j_e_pimentel@hotmail.com >

    ResponderExcluir
  30. Boa tarde, muito agradecida pelo artigo, é fantástico como descreve os comportamentos, ninguém nem médicos conseguem descrever tão bem, serviu-me para ajudar alguém a quem nunca se conseguiu diagnosticar, sempre teve muitos insucessos ao longo da vida académica e social, foi a todo o lado e só agora percebo, um bem haja!!!!

    ResponderExcluir
  31. Me identifique muito com tudo, to sofrendo com tudo isso nao sei como lhe dar, nao consigo olhar nos hos das pessoas, dependendo com quem eu esteja falando, fico nervoso e desviando o olhar. Me sinto prejudicado profissionalmente. Fujo das amizades, consigo ate fazer, so nao manter, pois sumo. Sempre fui assim, mas tinha controle, agora ta cada vez pior, nao o q fazer. Me ajudem!!! Gbscontabilidade@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  32. Nossa, sou casada tem 3 anos e este texto é a exata descrição de meu marido. Ele adora finanças e contabilidade é muito bom nisso e se encaixa em 80% dos sintomas descritos...desde rotina, não gostar de viagens, fala bem pouco exceto que seja sobre finanças e contabilidade, foi sempre taxado de estranho, é extremamente antissocial e não gosta que toquem nele. confrontá-lo para buscar ajuda seria indicado?

    ResponderExcluir
  33. sofro demais com meu namorado. Procuro juntar recortes para entende lo. até chegar aqui. ele nao discute, fica calado, chora com facilidade, some, foge, depois volta, tem dificuldades de concentração, fica nervoso facil demais, se errar o caminho é um transtorno, sabe em que cd esta tal musica e no ano q foi gravada, mas tem dificuldades na escrita, contas, gagueja, começou falar aos tres anos. Queria mais informaçoes para ajuda lo e tbm a mim. Obrigada.SGT

    ResponderExcluir
  34. Eu tive psicologa quando era crianca para ver se eu era autista, a mulher era simpatica, mas nao fazia nada, so jogavamos uno ou jogo dos paises.
    Parei de ter consultas com ela porque ela mudou de casa e ficou muito longe de mim, ela na altura disse que estava melhor, nao acreditei.
    Eu so tenho 2 amigos e tenho dificuldades em manter essas 2 amizades. Eu queria ir para Holanda, onde esta o meu pai so para estar longe de toda gente que me conhece, fazer a minha vida e nao fazer amizades, estar no meu mundo.
    Unicas coisas que fico feliz é com os meus livros e o meu violino, ha 8 meses que toco e ja estou muito avancada, mas quando estou de mau humor nao consigo tocar, so quando estou bem disposta e a casa tem que estar em silencio, basta eu ouvir um barulho que desafino tudo.
    Eu sei que sou autista mas nao quero que ninguem saiba, prefiro que pensam que sou diferente ou esquisita do que doente ou deficiente

    ResponderExcluir
  35. Recebi o diagnóstico de TEA aos 39 anos, hoje estou com 40 anos, eu me identifiquei com a maior parte dos sintomas.

    ResponderExcluir
  36. Gente estou pesquisando...isso é muito complexo o assunto é novo...não facam confusao é dificil se relacionar numa sociedade capitalista...calma muita calma

    ResponderExcluir
  37. Bom dia! Tenho um irmão de 25 anos, diagnosticado com autismo leve desde do primeiro ano de vida. Ele teve dificuldade para andar, falar e se socializar. Minha mão fez acompanhamento com psicologo por 8 anos e ele estudou em escola especial até a 8 serie. Apesar de muito inteligente, ele tem dificuldade para o raciocínio lógico. Nosso grande desafio é que ele não aceita que tem um problema, e por isso ele sofre ainda mais, pois se recusa a voltar a fazer o tratamento com psicologo, pois nunca encontramos um grupo de autismo leve e ele não se sentia confortável em estar junto com os autistas graves e moderados. Meu pai faleceu a um ano e notamos que ele tem regredido um pouco e ficado mais ansioso. Gostaria de ajuda para ele ter um convívio social melhor e quem sabe um relacionamento amoroso.

    ResponderExcluir
  38. Nossa, tenho muitos desses sintomas. Queria saber se alguém pode me ajudar. Porém minha história é meio complexa... Bom, eu sempre fui estranha desde criança, mas acho que hoje em dia, sou muito mais. Quando eu era criança, também apresentava alguns sintomas de autismo e sempre desconfiei que eu pudesse ser autista, mas não eram todos. O mais frequente deles, era falta de atenção nas aulas. Uma professora certa vez, me direcionou a psicóloga da escola, porque eu não conseguia fazer lições e nunca entendia porque eu era assim. Ficava horas enrolando com o caderno aberto pensando em não sei o que, e mastigando a ponta do lápis. rs Fazia tudo, menos a lição. E levava apelidinhos de lerda e coisas do tipo. Só que quando fui passar para a avaliação com a psicóloga, ela descartou a possibilidade de autismo depois de alguns testes que fez comigo. (Eu lembro dela conversando com a minha mãe sobre ter suspeitado disso no início quando a professora passou o meu caso para ela) Ela descartou, pois durante a conversa e depois de alguns testes feitos por ela, eu não apresentei muitos dos sintomas mais comuns: Eu era atenciosa, fazia contato visual, me interessava por brinquedos brilhantes e diferentes e etc... como eu disse, meu problema maior na época era desatenção nas aulas. Só que agora, eu apresento alguns outros que estão na lista acima. Decidi procurar por sintomas de autismo, pra saber se adultos poderiam ser portadores do autismo, e pra minha surpresa achei isso aqui. Eu sempre fui meio desatenta, desligada mais do que o normal. Esqueço fácil os lugares, não decoro lugares quando saio, sempre falam que sou desligada por isso. Eu não tenho muita noção de tamanhos de lugares tamanho, e tenho uma dificuldade absurda para ler mapas, ou entender plantas simples de construção. As pessoas até acham que é brincadeira minha as vezes. Nunca consegui entender matemática, além do básico. E tem muitas outras coisas que também não entram na minha cabeça, apesar de eu ter um raciocínio rápido e lógico que muitas pessoas notam quando conversam comigo. Me desenvolvo bem em uma conversa mas, dependendo do tema, eu acabo me perdendo. As vezes me limito muito em um tipo de assunto. E quero falar muito sobre aquilo, e sei que as vezes pareço até chata para algumas pessoas. Tenho aversão a mudanças, muito medo mesmo, e me apego a rotinas específicas, para me manter mais segura. Chega a ser ritualístico as coisas que faço todos os dias. Eu chamava de T.O.C antes. As vezes também sinto uma sensação de vazio que vem do nada. Eu não sou insensível, mas essa sensação me perturba demais. =/ Odeio sentir isso. E queria saber se mais pessoas sentem...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mariana caso queira conversar comigo meu email é analulobonovaes@gmail.com
      Tenho um filho de 18 anos e ele se enquadra em várias características do seu relato, por isso fiquei muito sensibilizada com o seu texto.
      Ele ainda não foi diagnosticado.
      A princípio, há 2 anos atrás foi TDA, agora está na segunda depressão, já passamos por uma neurologista, uma psiquiatra.
      Hoje ele está com outro psiquiatra e com uma psicóloga cognitiva (que é a mesma durante esses 2 anos).
      Moramos no RJ e gostaria muito de trocar com você as situações que venho enfrentando....assim quem sabe uma poderá dá força para a outra.
      Aguardo o seu e-mais.
      Abraços
      Ana

      Excluir
  39. (....Continuando) Ah! E tem algo que eu faço, que eu procuro não comentar com as pessoas, para não me rotularem de louca ou algo assim, mas eu tenho mania de inventar histórias e viver elas. Eu não consigo viver se não fizer isso. =/ O pior é que as vezes eu acabo envolvendo pessoas com quem convivo nessas histórias, e fico frustrada quando elas não gostam, ou quando não acreditam em determinada fantasia minha. Geralmente algo voltado ao mundo sobrenatural. É meio que uma necessidade de vivenciar algo, sentir algo surreal ... E fazer com que as pessoas com quem convivo, acreditem no mesmo que eu sabe?! Bem, eu me agarrava nisso, nessas fantasias, porém ultimamente eu tenho ficado sem vontade de nada. Só durmo muito, quando saio na rua é notável que ando insegura, e achando que as pessoas estão me julgando ou rindo de mim... até consigo me relacionar com as pessoas e tudo mais, mas me enrolo para executar tarefas simples, como comprar alguma coisa no supermercado. =/ E quando eu era criança, isso era simples pra mim. É como se eu tivesse regredido. E o que tá me desesperando, é que parece que eu pioro mais. Fico irritada fácil, me sinto triste, sozinha e vazia... Quero provar para o mundo as coisas, e cismo que preciso provar para as pessoas o meu valor. Quero que as pessoas gostem das mesmas coisas que eu... As vezes sei que prejudico as pessoas a minha volta, submetendo-as a um regime militar que eu imponho, alegando ter T.O.C. =/ E é ruim ver seus amigos, familiares, fazendo o que você pede, porque não querer contrariar você por saberem que você tem um problema sério. Mas, eu já ouvi da boca de pessoas importantes, que essas minhas manias compulsivas, atrasam demais a vida deles, e eu preciso dar um jeito de procurar ajuda. Só que as vezes nem isso eu tenho vontade, por achar que não tem jeito. =/ Só to desabafando aqui, porque vi que tem muita gente com problemas parecidos. E queria saber se alguém é como eu, pelo menos em alguns aspectos. Me acho estranha demais, e queria ajuda. A minha estranheza não me incomoda, nem a minha imaginação fértil e ilimitada... o que me incomoda é esse medo de tudo, de mudança e da vida. E esse vazio que as vezes vem com tudo, e me tira a vontade de viver, faz tudo perder a graça, me joga no chão e acaba com tudo o que eu tenho, inclusive com tudo o que me apeguei para não me sentir triste. :( Se alguém puder me ajudar, eu agradeço. Porque eu não queria procurar um psicólogo. Acho que pessoalmente eu não teria coragem de falar nem a metade do que falei aqui. Eu me conheço. Se alguém ler até o final ( O que eu acho quase impossível, mas pode ter alguém que como eu, gosta de ler. rs) enfim... se alguém puder me ajudar eu agradeço desde já. Que Deus abençoe a todos vocês. s2

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia: o poder do agora eckhart tolle

      Leia filosofia.

      Excluir
    2. Tudo o que você disse foi familiar para mim. É inacreditável o que eu li. Por mais sincera que sua história pareça eu meio que não consigo acreditar completamente nela. Eu nunca encontrei alguém como eu antes. Meus três amigos são pessoas maravilhosas mas nenhum deles é como eu e por isso não me compreendem. Talvez eles também não me compreendam porque eu não consigo expressar aquilo que penso. Quando eu escrevo as coisas mudam de figura. Me sinto um ser intelectual mas na vida real quando eu falo (quando eu falo) eu sou comparável a uma pessoa com sérios problemas mentais ( e talvez eu seja mesmo). Quem é autista não aceita que falem ele tem problemas mentais, mas na verdade, para mim, um autista é uma classe inferior de um maluco. A diferença é que um maluco não pode compreender aquilo que faz e um autista é diferente quanto a isso. Na verdade o autista geralmente não compreende suas ações, não tem noção do quão chato, ríspido ou ridículo é aquilo que está dizendo. Infelizmente eu compreendo minhas ações depois que as vivencio e isso me destrói. Você, Mariana disse que tem dificuldade de compreender o tamanho das coisas e de decorar lugares. Eu vou te contar uma história que aconteceu comigo. Eu entrei para a faculdade há um ano atrás. E com isso fui morar na cidade da minha faculdade. Determinado dia um colega de classe me convidou para ir ao centro da cidade e eu fui, nós fomos a pé. Uma outra vez eu fui ao centro sozinho. Uma segunda vez eu fui ao centro sozinho. Na volta eu me perdi. Eu não sabia que caminho percorrer. Eu entrei em uma rua que subia e eu nem tinha avistado essa rua quando eu fui para o centro da cidade. Com isso eu subi um morro enorme. Depois voltei e me lembrei que eu havia passado em frente à biblioteca da cidade e resolvi perguntar alguém onde ela estava. Eis que me disseram que ela estava há dez metros de mim. Eu atravessei a rua e passei em frente à biblioteca e não entrei. Imagine você quanto isso não foi constrangedor para mim. Se eu ficasse tentando voltar para casa sozinho talvez eu nunca voltaria para casa. No final das contas eu perguntei alguém como eu voltava para casa e me disseram para eu ir de ônibus. Eu devo ter caminhado umas duas horas para lá e para cá. Bem, Mariana, assim como você sonhou ter alguém lendo o que você disse até o final eu também sonho que alguém como eu leia o meu texto. Minha preferência é que você possa ler. Não para que alguém leia o que eu digitei e sim para que você veja que alguém leu o que você relatou até o final. Eu devo elogiar sua gramática e dizer que também vivencio histórias em minha própria mente. Para mim isso é um estorvo, pois eu me vejo tão culto em minha mente e na vida real não sou mais do que uma pessoa digna de dó.

      Excluir
  40. muito esclarecedor estas informações. sou casada pela segunda vez e só faz 3 . ao visitar uma amiga que trabalha com autistas e na brincadeira perguntou se talvez não seriamos autistas eu ou meu marido eu comecei a pesquisar e pelas informações acima posso dizer que meu marido é autista. fico feliz pois saberei entende-lo melhor e viver muito mais feliz com ele. obrigada e que Deus ilumine os que convivem com autistas para serem felizes e fazer mais feliz o autista de convivio.

    ResponderExcluir
  41. Eu sempre tive duvidas e ao mesmo tempo certeza que meu ex marido e meu filho sao autista. Ambos sao bastantes inteligentes mais sempre tiveram dificuldades em utilizar essa inteligencia em algo que os tornem mais sociáveis. Sempre tive problemas com os dois nesse sentido. Meu filho apresentou problema desde quando começou a freguentar a escola. Meu Deus sofri tanto ouvido e ainda sofro com pessos dizendo que ele é preguiçoso e eu passo a mão na cabeça dele sempre. Mais só eu sei que nao é isso. Lendo essa materia comoreendi tudo e vou procurar um especialista e tentar de alguma maneira ajudar os dois mesmo um tendo 47 anos meu ex marido e meu filho 22 anos nunca é tarde pra procurar ajuda. Obrigada pela materia.

    ResponderExcluir
  42. Eu também me identifico com estes sintomas. Não tenho amigos, não gosto de olhar nos olhos e nem que olhem bos meus, sou muito inteligente e tímido. No entanto, não me importo com isso, acho que é só meu jeito de ser. Acho que o segredo é esse.

    ResponderExcluir
  43. Nossa acho que sou autista, pois tenho sempre a mesma rotina, trabalho em uma profissão apenas, desde que me formei (rotina), tenho manias tipo fazer meu trabalho direito e respeitar meuus clientes (mania), há não tenho muito amigos, porque não gosto de beber que nem um viciado e não falo de prostituição e/ou exibo meus bens e, também, não entendo de futebol. Ahhhh tenho insonia, porque meu filho chora as vezes de madrugada e fico com pena e vou até o quarto dele contar historinhas até se acalmar. Ahhh ele também é autista porque acorda de madrugada, nossa minha esposa também é autista porque segue a minha rotina e tem a mania de cuidar de nós todos os dias obssessivamente. Nossa vamos morrer!!!

    ResponderExcluir
  44. Estou a procura de algumas informações sobre o assunto. Pois meu filho que é adotivo,agora com 18 anos está apresentando alguns problemas neurológicos que não estou conseguindo defini los .Qdo eu adotei,ele tinha 2 dias de nascido,com 3 meses ele teve um ataque que parecia de pânico,pois segurei ele pelo tronco e o resto do corpo se batia, qdo ele já estava com mais ou menos 1 ano ele ficava sentado no sofá e batia a cabeça,sendo que o sofá teve que ser trocado,pois quebrava o mesmo.Com 2 anos levei ele em uma neurologista,e ela me disse q ele era autista,pois ele sentado na cadeira do consultório fez a mesma coisa batendo a cabeça e ela falando com ele e ele não respondia. Sabe não acreditei nisso ,pois ele interagia normal em casa e pelo contrário até me sufocava de tanto que era grudado comigo, como é até hoje com 18 anos, falo p/ ele que ele me rouba até o ar que respiro....rsrsrsr. com o passar do tempo mais ou menos no ginásio começou os problemas de interação na escola ,não faz amizades com ninguém,chega a passar mal, muitas vezes faltava pois tinha ansias de vomito e não dava p/ ir. hoje em dia não é sempre mais qdo estou em supermercados ou que nem ontem qdo fomos fazer o titulo de eleitor, ele passa mal como se fosse um ataque convulsivo pois tenho uma filha que tinha,ele não se bate, mais fica branco esverdeado...e logo em seguida vomita e na semana passada chegou até a virar o olho p/ cima e cada um p/ um lado e torcer as mãos. Estou marcando uma consulta com um neuro p/ descobrir o que ele tem,pois ele está pagando todos os micos possíveis com esta situação na rua, e só acontece qdo estamos na rua.Desculpe pelo desabafo... meu email é aguiarsoraya@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  45. Eu tenho todos esses detalhes citados e uma sensibilidade muito grande com ruídos. Só para se ter uma ideia eu fico incomodado em andar de moto, porque ouço o barulho das engrenagens se tocando dentro do motor. É impressionante como coisas tão simples ficam tão complexas para nós e os outros não entendem isso.

    ResponderExcluir
  46. Olá,boa tarde a todos!
    Me chamo Fran, e recentemente entrei em um namoro com um grande homem, mas com o passar dos meses vim observando a indiferença dele em relação ao relacionamento, novas rotinas e novas pessoas. Desta forma tornando difícil nosso relacionamento, mas mesmo assim pretendo continuar e formamos uma família. Mas sinceramente não sei como fazer com que ele se adapte com novas rotinas e com nosso relacionamento. Estou sem direção e gostaria de orientação.

    ResponderExcluir
  47. Tenho um filho de 18 a pouco diagnósticado com autista,agora está sendo acompanhada, mas ainda não consigo perceber nenhuma mudança
    Como posso ajudar-lo a se sentir melhor?
    Segundo os depoimentos eles sofrem muito.

    ResponderExcluir
  48. Me ajudou a identificar esse sintoma em um funcionário da empresa da qual trabalho.

    ResponderExcluir